Geral

500 anos da Reforma Protestante

Nesse dia 31 DE OUTUBRO de 2017 tenho o privilégio de celebrar com milhões de cristãos ao redor do mundo os 500 anos da REFORMA PROTESTANTE. Mas, o que de fato é a reforma, e contra o que ela protestou?
Na idade média, a Igreja Romana desenvolveu a doutrina do purgatório – um estado intermediário entre o céu e o inferno – um lugar onde o pecador poderia pagar pelos seus pecados na esperança de que um dia pudesse ascender ao céu.
Entretanto, na doutrina católica, havia 4 sacramentos que tinham o poder de perdoar os pecados e remover a culpa: o batismo, a eucaristia, a penitência e a extrema unção. Acreditava-se que o cumprimento dos quatro poderia diminuir o tempo no purgatório.
Acontece que, por razões econômicas, a Igreja Romana instituiu mais uma maneira de obtenção do perdão dos pecados: a indulgência.
A indulgência era um documento oficial concedido pelo Papa que substituía a prática rigorosa da penitência pelo pagamento de dinheiro. Dependendo da quantia de dinheiro, a indulgência podia contemplar também os mortos, e assim, apressar a sua saída do purgatório.
Desta forma, um pecador horrendo, mas que tivesse dinheiro, teria vantagem em relação a alguém que cometesse pecados muito menores, contudo sem dinheiro.

Foi contra esse absurdo que Martinho Lutero, em 31 de outubro de 1517, pregou suas 95 teses na porta do castelo de Wittenberg, desafiando o Papa e a Igreja Romana a responder os desafios propostos por ele.
Nascia, assim, o movimento chamado de Reforma Protestante, que transformou o mapa geopolítico do mundo e teve consequências estruturais, espirituais e educacionais que moldaram o mundo que hoje conhecemos.
Basicamente, a Reforma teve 5 postulados principais:

1- Sola Scriptura (Somente a Escritura).

Somente a Escritura foi o primeiro fundamento da Reforma Protestante. Segundo Lutero, a Palavra de Deus é inspirada, inerrante, suficiente e com autoridade para determinar os rumos e ritos da fé cristã.
Por isso, Lutero lutou para que a Escritura estivesse ao alcance de todos.
Acontece que, em meados dos anos 1520, a Reforma estava abalando toda a Europa com os escritos de Martinho Lutero. Por milhares de anos, a igreja tinha somente a versão Vulgata Latina. Com o incentivo da Reforma, várias traduções foram feitas. Lutero traduziu para o alemão, William Tyndale traduziu a primeira versão inglesa, em 1525, e assim, a Escritura se tornou cada vez mais acessível para as pessoas normais.
Com isso, a Reforma se tornou um instrumento poderoso de transformação por meio da educação; já que agora todos eram incentivados a aprender a ler e a escrever para que pudessem ter acesso à Escritura.

2- Sola Gratia (Somente a Graça).

O grande teólogo Agostinho de Hipona, talvez o maior teólogo depois do Apóstolo Paulo, reconheceu a total depravação do ser humano. Lutero, tendo se identificado com ele, buscou respostas para a sua própria depravação. Como resultado dessa longa reflexão, compreendeu que só havia uma maneira de se encontrar a redenção: a graça de Deus por meio de Cristo.
Desta reflexão, saiu o postulado que transformou o entendimento da salvação: todos os homens são pecadores e incapacitados de pagar pela própria redenção. Portanto, nem o Papa, nem ninguém, e tampouco a Igreja Católica tem o direito de perdoar os pecados. Somente a Graça de Deus, por meio de Cristo, pode garantir o perdão dos nossos pecados.

3- Sola Fide (Só a Fé).

Por volta do ano 1519, dois anos após as 95 teses, Lutero estava estudando as cartas de Paulo aos Romanos. Ele estava tentando desesperadamente entender a justificação (justiça de Deus) como padrão necessário para a salvação. Isso o deixou indignado, pois na mesma carta constatou que a justiça que Deus exige não pode ser alcançada por nenhum homem.
Mas, de repente ele chegou a um novo entendimento. Ele escreve:
“Eu comecei a entender que a justiça de Deus é um presente para aqueles que creem. Compreendi que a justiça de Deus é revelada através do Evangelho, ou seja, Deus nos justifica através da fé, como está escrito: “O justo viverá pela fé”. De repente, eu senti como se tivesse nascido de novo e tivesse acesso ao paraíso, através de portas abertas”.
Tal entendimento libertou as almas de todos que inutilmente tentavam merecer a salvação. A compreensão do poder salvífico da fé permanece ainda hoje como um grande bálsamo para todos os cristãos.

4- Solus Christus (Somente em Cristo).

Ao examinar nas Escrituras a questão: como uma pessoa se torna justa diante de Deus? Não somente Lutero, mas também os demais reformadores defenderam que não há salvação em outro nome além de Jesus Cristo. Ele é nosso único Senhor e Salvador. Com isso, nem Maria, e tampouco o Papa tem poder para perdoar pecados ou garantir a salvação eterna. Somente Jesus Cristo, o Filho de Deus, por seu sacrifício, tem o poder de salvar a humanidade.

5- Soli Deo Glória (Para a glória somente de Deus).

Romanos 11:36 diz: “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!”

Os Reformadores compreenderam que, de acordo com as Escrituras, a salvação se dá exclusivamente pela fé em Cristo. Mas tamanha graça não foi proposta para produzir cristãos preguiçosos que descansam no fato de que não tem que fazer nada. Ao contrário, por terem recebido tamanho presente, sob a pena de se tornar morta, a fé precisa produzir boas obras. Segundo a visão reformista, os salvos existem para cumprir o propósito de trazer glória para Deus. Sim, todas as coisas devem ser feitas para a glória somente de Deus. Não fomos salvos pelas obras, mas para as obras. As obras não precedem a salvação, mas com certeza, a sucedem.

Para concluir, nesse dia tão emblemático, minha sincera oração é que, ao comemoramos 500 anos da Reforma Protestante, sejamos gratos a Deus por homens que viveram e morreram para que tais verdades chegassem até a nós.

Seu legado não foi em vão. As bases do Evangelho da Reforma ainda aliviam aos pecadores desejosos da salvação.

Termino essa reflexão com a frase de Jesus Cristo: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” – João 14:6.

Essa salvação está disponível a você! Creia que Jesus morreu para pagar os seus pecados, bem como conceder-lhe vida eterna! Se você crer, será salvo imediatamente!

Por Lamartine Posella.

Os Desafios do Cristianismo na Sociedade Pós-Moderna
O mundo de pernas para o ar

Deixe seu comentário