Geral

O Tribunal de Cristo

A Palavra de Deus nos adverte que todos nós compareceremos diante do Tribunal de Cristo. Naquele dia, todas as obras, as motivações, os pensamentos e as intenções serão julgadas. O que me conforta é saber que o juiz é absolutamente justo. Em primeiro lugar, se cremos verdadeiramente que Jesus morreu pelos nossos pecados, estaremos salvos. Mas, a Palavra de Deus, em 2 Coríntios 5 nos adverte que as nossas obras passarão pelo crivo do fogo. Se forem como os metais nobres e as pedras preciosas, elas permanecerão. Se forem semelhantes à madeira, feno e palha, serão queimadas completamente.

Não vejo a hora de estar diante do meu Senhor Jesus, o meu juiz e advogado. Mas, ao mesmo tempo, estremeço em pensar que cada pensamento, cada palavra frívola, cada obra que fiz e farei nesse mundo só permanecerão se foram destinadas para a glória de Deus e para o estabelecimento do Reino.

Isto quer dizer que, ainda que façamos o certo, precisamos fazer com a motivação correta. Fazer o bem para o outro, pelo outro, é garantia de recompensa. Fazer o bem para ganhar prestígio ou posição nulifica a nossa obra.

Ao pensar nesse dia, sinto uma alegria enorme misturada com um temor da mesma magnitude. Olhar para os olhos do meu Senhor é tudo o que mais quero. Contudo, ainda preciso crescer em amor, em humildade e em muitas outras formas que reflitam o caráter de Cristo. Sei que ele olhará por dentro da minha alma, e nada a respeito da minha vida estará oculto a ele.

Quero me preparar para aquele dia com todas as minhas forças. Peço a ele que, nos dias que se seguem, me revele o caminho certo que devo trilhar.

Senhor, toca no coração de todos os meus leitores. Cria em nós um coração novo, e que o temor do Senhor seja consolidado em nós. Queremos ser objetos de alegria a ti. Oramos em nome de Jesus.

 

O mundo de pernas para o ar
Sobre o temor a Deus

Deixe seu comentário